15/05/2018 - 07:55

POLITEC
Aula inaugural do GAPE conta com palestra de perito da Polícia Federal
O curso básico de atuação em perícias especiais será composto por módulos, o primeiro deles será no dia 18 de maio.
Tita Mara Teixeira | Politec- MT

Na presença de autoridades e servidores, 16 profissionais da Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec) foram apresentados durante a solenidade no Palácio Paiaguás, que marcou a aula inaugural do curso de formação do Grupo de Atuação em Pericias Especiais (GAPE) da Politec, nesta segunda-feira (14.05).  

A equipe é formada por servidores da área finalística da instituição, sendo eles, Peritos Oficiais Criminais, Peritos Oficiais Médico Legistas, Peritos Oficiais Odontolegistas, Papiloscopistas e Técnicos em Necropsia. O evento contou com a palestra do Perito Criminal Federal do Instituto Nacional de Criminalística (INC) e ex-membro da Interpol, Carlos Eduardo Palhares, que falou sobre a integração da perícia oficial e outras instituições em diferentes áreas na atuação em desastres e sinistros com múltiplas vítimas.

“A perícia faz parte de todo processo da Justiça e a cada dia os crimes se tornam mais complexos. A iniciativa que o Estado tomou é pioneira no país e muito interessante, com a instituição de um grupo de pretende fazer diferente. Isto porque a soma das partes traz resultado, quando cada um sabe fazer bem o seu papel, e esta é a premissa do GAPE.  Fazer melhor em perícia é contribuir para a Justiça e que a prova técnica seja mais valorizada’’, comentou Palhares.

O palestrante explanou sobre as experiências adquiridas ao longo dos seus 11 anos de carreira como Perito Criminal na Polícia Federal. Ele citou e explicou tecnicamente como foi a atuação integrada de perícia e identificação de vítimas em desastres, como o acidente com o avião da TAM, ocorrido em 2007, o acidente aéreo com o avião da Air France, que caiu no oceano atlântico em Fernando de Noronha, em 2009, e o incêndio da Boate Kiss, em Santa Maria (RS) em 2013.  Ele citou exemplos de casos multidisciplinares, em que houve a integração entre múltiplas instituições de forma coordenada e integrada.

Basicamente, o trabalho da Politec  é levantar provas, materializar todos os fatos que aconteceram no local de crime, realizar identificação técnica, e perícias criminais nas áreas de Criminalística, Medicina Legal e Odontologia Forense.  “O grande diferencial do trabalho da Politec que é feito hoje, e o trabalho do GAPE passará a realizar, é que essa equipe é multidisciplinar com quase todas especialidades, que trabalhará em conjunto, com o reforço de um  treinamento específico, garantindo a celeridade máxima em cada caso a segurança e a integração. É extremamente gratificante fazer parte desse projeto e será feito com toda a vontade e desejo de melhorar o serviço para a sociedade”, destacou o chefe de operações do GAPE, perito criminal Luis Paoli Schiffino Gomez.

A ideia inicial da criação do GAPE começou em 2006 quando a Politec atuou na perícia da queda do avião da Gol, que matou 154 vítimas. “Sentimos a necessidade da criação de um grupo que estivesse treinado e preparado para a atuação nestes grandes eventos como este. Desde então a Politec vem trabalhando com a implantação de grupos de trabalho,  normatizações e manuais de procedimentos. Em 2017 o GAPE foi instituído através da decreto nº 839 de 06/02/2017. Hoje estamos implementando o grupo, e dando início aos treinamentos de profissionais em diferentes especialidades para atuação em perícias mais complexas’’, relembrou o Diretor Geral da Politec, Reginaldo Rossi do Carmo.

Para o Secretário de Estado de Segurança Púbica, Gustavo Garcia, a criação do GAPE é mais um exemplo de inovação e qualificação nos trabalhos realizados pela Politec. “Com esse projeto, nós vamos especializar nossas atividades na área pericial, buscando um enfrentamento qualificado contra o crime organizado, e eu tenho certeza que a resposta será muito importante para o Sistema de Segurança Pública’’, observou.  

O campo de atuação do grupo será voltado para ocorrências de desastres, como acidentes aéreos e catástrofes naturais, ocorrências que envolvam ações do crime organizado, e crimes com múltiplas vítimas.

Treinamento

O curso básico de atuação em perícias especiais será composto por módulos, com o apoio do Centro Integrado de Operações Aéreas – Ciopaer, Corpo de Bombeiros Militar, Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), Batalhão de Operações Especiais (Bope-MT) e Grupos de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). O primeiro módulo do curso, de Equipe Aerotransportada terá início no dia 18 de maio.

A Sesp também está no Facebook, Flickr e Instagram. Siga-nos!