Seguranca Publica
POLÍCIA COMUNITÁRIA
 
  Polícia Comunitária - Sobre a Polícia Comunitária -
 
   No ano 2000 foram criadas as Companhias Comunitárias nos bairros Pedra 90, em Cuiabá, e Parque do Lago, em Várzea Grande. Em 2001 foram criadas mais oito companhias: Pedregal, São João Del Rey, Moinho, Santa Izabel, Três Barras, e Jardim Imperial, em Várzea Grande, além de mais duas no interior do Estado, sendo em Cáceres e Rondonópolis.
Em 2006, Mato Grosso já contava com 24 Companhias Comunitárias em pleno funcionamento, sendo seis no interior e 18 na capital. Elas tinham uma equipe composta de: um capitão, um tenente, quarenta policiais, quatro viaturas, quatro motos e quatros bicicletas. Esta então foi a formatação da Polícia Comunitária em Mato Grosso.
Com as mudanças na Secretaria de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) e na Polícia Militar, no ano de 2007, a Polícia Comunitária sofreu uma nova formatação.
No novo modelo adotado, o trabalho da Polícia Militar, Polícia Judiciária Civil, Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec) e Corpo de Bombeiros passaram a ser realizado em um mesmo espaço, o que possibilitou às instituições o atendimento integrado a população, como registros de ocorrências de pequena gravidade, extravio de documentos, emissão de carteiras de identidade, orientação na prevenção de acidentes domésticos e vistorias técnicas e edificações.
Nesse novo formato, as Companhias Comunitárias passaram a se chamar Bases Comunitárias, e solidificaram-se no objetivo de polícia de aproximação, Polícia Comunitária, com foco na prevenção da criminalidade por meio da atuação conjunta entre polícia e a comunidade.